É urgente pensar as embalagens para a Economia Circular

Há quase 25 anos que a SPV tem vindo a contribuir de forma relevante para a promoção da circularidade e sustentabilidade, promovendo a recolha seletiva e a reciclagem de embalagens.

Artigo de opinião por Ana Trigo Morais | CEO da Sociedade Ponto Verde

Do lado das empresas – e por acreditar que o contributo para uma maior circularidade não depende apenas do consumidor – é urgente pensar a natureza da embalagem, uma área em que a SPV se capacitou para desempenhar o seu papel junto dos seus clientes embaladores. Para tal, lançamos o Ponto Verde LAB, uma plataforma digital (www.pontoverdelab.pt),  de conhecimento e aconselhamento que desafia todos os agentes da cadeia de embalagens a desenvolverem, em conjunto, soluções que sejam mais sustentáveis e com maior potencial de reciclabilidade após o consumo. Nesta plataforma reunimos um conjunto de dicas e recomendações de ecodesign e otimização dos processos de estudo, desenvolvimento e produção. O objetivo deste projeto é claro: promover mais e melhor reciclagem e contribuir para uma valorização efetiva de materiais e da economia circular.

Neste novo ciclo é essencial que se aposte na reciclabilidade das embalagens, em “design for recycling”. A par do desafio de manter as embalagens apelativas ao consumidor junta-se um outro, ainda maior, o de incorporar os princípios de reciclabilidade no seu design e produção e equilibrar todos esses objetivos na potenciação da embalagem. Temos de começar a entender os resíduos como recursos importantes para a economia porque através da sua reciclagem conseguimos diminuir a intensidade de consumo de matérias-primas virgens

A nossa estratégia está também focada na criação de parcerias com os clientes, colocando ao seu dispor, instrumentos alinhados com as necessidades do mercado, apoiando o investimento em projetos de I&D que permitam desenvolver melhores soluções de embalagens, de recolha seletiva e de incorporação de materiais reciclados, o que permite acrescentar valor e inovação rumo à economia circular. O contributo da SPV para a inovação no setor dos resíduos em Portugal, o investimento realizado e as sinergias obtidas são motivo de orgulho. Já realizamos investimentos financeiros superiores a 3,5 milhões de euros nesta linha de atividade e apoiamos e incentivamos mais de 40 projetos inovadores e pioneiros.

A próxima década vai trazer novos desafios e a inovação e a aposta em I&D é fundamental para garantir que estaremos na linha da frente no campo das soluções sustentáveis.

A atualidade tem-nos colocado desafios e metas cada vez mais ambiciosas no que respeita à reutilização e à reciclagem, fundamentais no processo de transição para uma economia circular. São desafios colocados à Sociedade Ponto Verde, enquanto entidade gestora de resíduos de embalagem, mas também a todos os intervenientes da cadeia de consumo, da indústria e retalho até aos consumidores.

O Green Deal, novo Pacto Ecológico Europeu, tem desafiado a forma como também no setor dos resíduos se deve criar um novo modelo económico de desenvolvimento, que permita preservar os recursos e o ambiente.

No domínio da reciclagem de embalagens o nível de ambição também aumenta, tendo sido estabelecidas na Diretiva Embalagens metas de preparação para reutilização e reciclagem de 65% dos resíduos de embalagens, até 2025, e de 70%, até 2030. Neste sentido, perspetiva-se que os produtores/embaladores reforcem a adotação de medidas prevenção, como a redução do excesso de embalagens, critérios de ecodesign, ou ainda embalagens reutilizáveis, com vista à minimização dos resíduos, e, também, dos respetivos custos de gestão.

Sabemos que, sendo os resultados atuais já bastante positivos e indicativos de que estamos no caminho certo, temos ainda muito a percorrer. A SPV tem plena consciência de que é necessário reforçar o foco no desenvolvimento, investigação e inovação em matéria de gestão de resíduos para a reciclagem. E é por esta razão que consideramos especialmente importante desenvolver projetos que têm por objetivo ajudar as empresas a apostar em embalagens e comunicação para a sustentabilidade e sensibilizar o consumidor sobre como pode também contribuir para que tenhamos uma economia mais circular.