GS1 divulga posição sobre GS1 Datamatrix

A GS1, a nível global, divulgou um documento de posição que esclarece as linhas orientadoras para a utilização de GS1 DataMatrix no setor da saúde.

Com cada vez mais enquadramentos legislativos adotados, a nível global, relativos à garantia de rastreabilidade, fármaco-vigilância e controlo de introdução no mercado, assim como desenvolvimentos em termos de saúde digital, a GS1 constatou a crescente necessidade de captura de  dados de identificação de produto através da leitura de códigos colocados em dispositivos médicos, medicamentos e nas respetivas embalagens. Nesse sentido, a GS1 recomenda a utilização de GS1 DataMatrix para a identificação de produtos médicos, sempre que o contexto de leitura e os requisitos regulamentares utilizarem codificação bidimensional e não o código de barras tradicional.

Como se destaca neste documento de posição, durante anos, stakeholders com intervenção no setor da saúde adotaram o GS1 DataMatrix como o código bidimensional que garante a rastreabilidade de medicamentos. São exemplos dessa adesão a Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Egipto, Etiópia, Estados Unidos da América, Europa, Índia, Rússia, Turquia, entre outros, num total de 75 países a nível mundial. Da mesma forma, muitas organizações sem fins lucrativos exigem a inscrição de GS1 DataMatrix nos produtos farmacêuticos que adquirem. O GS1 DataMatrix é também frequentemente utilizado para garantir o cumprimento dos requisitos inerentes a UDI – Unique Device Identifiers em muitos países. Os motivos para ser este o código bidimensional recomendado pela GS1 passam pelo facto de garantir a identificação de uma maior quantidade de dados num pequeno espaço na embalagem. Para além disso, pode ser diretamente impresso nos produtos. Por fim, e não menos importante, dispõe de mecanismos sofisticados de deteção de erro e correção de algoritmos, permitindo a leitura do GS1 DataMatrix, mesmo se danificado, rasgado ou com má qualidade de impressão.

Nesse sentido, a GS1 recomenda a implementação de GS1 DataMatrix como o único veículo bidimensional portador de dados para a identificação de produtos em saúde. Neste contexto, a utilização de códigos QR na disponibilização eletrónica de informação de produto em contexto de prestação de cuidados de saúde devem ser considerados cuidadosamente, podendo confundir os utilizadores na cadeia de valor da saúde, incluindo doentes ou prestadores de cuidados. A GS1 não recomenda a utilização de códigos QR na identificação de produtos.