Nova colaboração global entre GS1 e IHTSDO

Os Global Trade Item Number (GTIN) da GS1 são standards globais para identificação automática de produto (através de códigos de barras), utilizados para a segurança do paciente e a rastreabilidade. O IHTSDO SNOMED CT é um standard global que assegura uma terminologia clínica exata em termos semânticos, para um uso consistente ao longo dos sistemas e serviços de saúde. Garantir que ambos os standards funcionam em conjunto e facilitar a ligação entre a informação do paciente na ficha clínica e o produto efetivamente administrado no ponto de assistência, através do scan ao código de barras, são os objetivos de fundo deste acordo.

“Estamos muito entusiasmados por poder transformar os esforços colaborativos do passado com a GS1 neste novo projeto”, afirmou o CEO da IHTSDO, Don Sweete. “Este novo acordo, focado em projetos concretos de ligação entre os GTINs e os SNOMED CT, vai permitir um maior suporte nos cuidados prestados ao paciente e, já no início do próximo ano, evidenciar os seus benefícios”.

Existem, neste novo acordo global, que decorre até Junho de 2017, quatro áreas específicas dedicadas à colaboração:

1.   Desenvolver normas/princípios  de ligação entre os standards SNOMED CT e GTINs, para poderem ser aplicados a nível nacional/local

2.   Explorar a um nível internacional alternativas, capacidade de concretização e benefícios para uma solução/modelo técnico, para apoiar a ligação nacional/local entre os standards SNOMED CT e os GTINs

3.   Conduzir comunicações sobre o funcionamento conjunto dos IHTSDO e GS1

4.   Explorar as opções de formação/educação em produtos, serviços e atividades colaborativas da GS1 e da IHTSDO dirigidas às comunidades de saúde, assentes nos testemunhos e feedback dos especialistas

Miguel Lopera, CEO e Presidente da GS1, comentou “o uso dos standards globais GS1 para a identificação de produto e a partilha de dados é, hoje, um fator crítico nas questões relacionadas com os sistemas de saúde e este projeto vai contribuir ainda mais para a segurança do paciente, ao ligar de forma apropriada a sua informação clínica com a informação de produto exata dos Registos de Saúde Eletrónicos”.

Consulte o comunicado de imprensa aqui.