Os hábitos de consumo dos consumidores reescrevem o “novo normal” em 2021

Com alteração de perspetivas da pandemia, os compradores estão a reescrever o que parece ser o comportamento normal de consumo, uma vez que mudaram de forma visível para uma realidade que não existia antes da Covid-19.

Fonte: NielsenIQ

As plataformas de e-commerce devem continuar a diferenciar as ofertas para aprimorar os hábitos que persistirão em ambiente digital. Ao mesmo tempo, os pontos físicos devem reafirmar a sua relevância e reputação para os consumidores que se depararam com ruturas de stock, lojas fechadas, limitações em categorias de produto, deixando-os cansados com as experiências em loja, durante a pandemia. A tudo isto acresce o facto de muitos consumidores terem sido levados a reajustar os seus orçamentos ao longo do último ano e meio, havendo uma infinidade de novas considerações para o futuro do retalho omnicanal.  

Compreendendo a expansão do e-commerce

Um recente estudo da NielsenIQ revelou que 42% dos inquiridos afirmam comprar online pelo facto de estarem em casa para receber as encomendas; 45% indicaram uma questão de segurança relativamente à exposição ao vírus por não irem às lojas físicas. À medida que alguns consumidores voltaram ao local de trabalho e às escolas, algumas famílias passaram a estar menos tempo em casa. Os retalhistas precisam de compreender as razões específicas que concentraram tantos consumidores no online com soluções de entrega, durante 2020, e, rapidamente determinar quais é que continuam a influenciar o comportamento dos consumidores.

O universo do Retalho mudou consideravelmente

À medida que as vacinas permitem o regresso às compras em loja, os consumidores estão a ser confrontados com lojas fechadas, seja porque encerraram a atividade, por períodos temporários ou alteração do modelo de negócio para exclusivamente online. De facto, verificou-se uma diminuição de 3% no universo do Retalho nos Estados Unidos de 2019 para 2020, com os supermercados (-4%) e as lojas de conveniência (-2%) os mais afetados no setor de grande consumo. As lojas físicas que resistiram à tempestade precisam de se adaptar e realinhar face às necessidades dos consumidores de forma a não perder clientes para o online.

Adaptar o sortido do produto considerando a mudança de comportamento dos consumidores

Estas recentes mudanças não afetaram apenas o Retalho, mas também as despesas dos consumidores. A maioria dos consumidores encontram-se atualmente numa situação financeira diferente à vivida antes da pandemia. Globalmente, 76% dos inquiridos afirmam estar a analisar de forma mais consciente os seus gastos devido ao impacto da Covid-19 e, mais de metade (51%) afirmam estar numa pior situação financeira. Estas condicionantes determinam o momento crucial para os retalhistas adaptarem a oferta do sortido de forma a corresponder a estas novas restrições. Adaptar para corresponder às novas necessidades – como por exemplo, tamanho das embalagens, ofertas de valor e disponibilidade de stocks – nunca foi tão importante, especialmente, com as ofertas, aparentemente ilimitadas, no online.  

À medida que os mercados globais se ajustam a um mundo de impactos combinados provocados pela Covid-19, as tendências emergentes parecem apontar para um elemento unificador que surge agora como mais importante que nunca: a experiência do consumidor. Compreender as necessidades e as condicionantes de mudança dos consumidores e abordá-los com os aspetos-chave da experiência física e digital é a única estratégia de futuro.

Artigo original disponível em https://nielseniq.com/global/en/insights/infographic/2021/consumer-spending-habits-rewrite-the-new-normal-in-2021/