Portugal entre os 10 países europeus que mais cresce no primeiro trimestre

Portugal está entre os 10 países com maior crescimento em valor (vs. o período homólogo), ocupando a 7ª posição (4,1%). Turquia (15,6%), Hungria (8,3%) Polónia (4,8%), Grécia (4,6%), República Checa (4,6%) e Alemanha (4,4%) são os países que se destacam acima de Portugal pelo seu crescimento.

Fonte: Nielsen

“Esta tendência positiva demonstra claramente que o comportamento dos consumidores portugueses no que se refere ao consumo está a mudar. Estão mais confiantes e mais disponíveis para gastar dentro e fora de casa. Procuram mais tempo de lazer, qualidade, inovação e conveniência, e desta forma gastam mais em produtos premium. Por outro lado, é sabido que o dinamismo que o turismo tem trazido ao país também poderá estar a contribuir para estes resultados”, refere Ana Paula Barbosa, Retailer Services Director da Nielsen.

Em Portugal, os maiores crescimentos em valor no primeiro trimestre foram nas categorias de Congelados (8%), Bebidas (6% as Alcoólicas e 5% as Não Alcoólicas) e Mercearia (5%). Também Lacticínios (3%) e Higiene Pessoal (1%) apresentaram crescimentos, tendo a categoria de Higiene do Lar estabilizado. “Neste trimestre, a conveniência volta a provar a sua importância, com um crescimento da categoria dos Congelados muito acima da média dos Bens de Grande Consumo. Tal como a Nielsen tem vindo a afirmar, os consumidores portugueses procuram produtos e serviços que facilitem o seu dia-a-dia, quer através do próprio sortido como também da otimização do processo de compra”, refere Ana Paula Barbosa.

Segundo o relatório Growth Reporter referente ao primeiro trimestre de 2018, desenvolvido pela Nielsen, o ano começou com um crescimento nas vendas dos Bens de Grande Consumo de 1,1% em volume e um efeito-preço de 3%, totalizando um aumento em valor de 4,1%. Esta evolução é bastante superior à registada no período homólogo em 2017 (que crescia 1,6%). O consumo em Portugal está claramente dinâmico e os dados Nielsen comprovam-no.

Os consumidores portugueses também mantêm os seus níveis de confiança bastante elevados, alcançando o valor de 90 pontos (+6 pp face ao trimestre anterior). O que mais preocupa os portugueses continua a ser o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional (32%), seguindo-se a saúde (30%) e o emprego (21%). O aumento das contas a pagar, a educação das crianças, a economia e a dívida são outros dos tópicos que também preocupam os portugueses. De uma forma cada vez mais evidente, os consumidores começam a acreditar que este é um bom momento para comprarem o que querem ou necessitam e mostram-se cada vez mais otimistas em relação à sua situação profissional e financeira nos próximos 12 meses.